A História do Hangul

Annyeonghaseyo, yeoreobun!~~

No dia 9 de Outubro é comemorada uma data muito especial  na Coreia do Sul: o Dia do Hangul (한글 날 [han.gul.nal]), a única linguagem que tem sua origem plenamente conhecida.

O coreano sempre foi a língua materna na Coreia, mas durante muitos séculos os coreanos eram dependentes do hanja (한자), que nada mais é do que os caracteres chineses, o que tornava a leitura, pronúncia e escrita algo mais complexo, especialmente para os plebeus, já que apenas a maior parte da nobreza era alfabetizada e familiarizada com esses caracteres.

 


Foi o Rei Sejong, o Grande, quarto rei da dinastia Joseon, que em 1447 publicou o Hunmin Jeongeum (훈민정음 [hun.min.jóng.um]), que significa algo como “sons para a instrução das pessoas”. E foi apenas em 1928 que o Hangul teve seu nome reconhecido oficialmente.

O Hangul é uma linguagem extremamente fonética composta por 40 caracteres, sendo 21 vogais e 19 consoantes. Cada vogal é composta por uma ou mais linhas que representam as pessoas, o céu e a terra. E as consoantes lembram a forma da boca humana durante a pronúncia, por exemplo o mi-eum (ㅁ), similar ao “m”, é escrito de modo que todas as suas extremidades estejam fechadas, para demonstrar que para pronunciá-lo é preciso fechar os lábios.

É escrito da esquerda para a direita, na horizontal, o que é outra semelhança com o nosso alfabeto. A única grande diferença em relação ao alfabeto romano é que este é escrito em blocos de sílabas ao invés de uma letra seguida da outra. Por exemplo, ‘Hangul’ em Hangul é ‘한글’. São duas sílabas formadas de ‘han’ (‘한’) e ‘gul’ (‘글’), onde a primeira sílaba é formada de ᄒ/h,ᅡ/a e ᄂ/n; e a segunda é formada deᄀ/g, ᅳ/eu e ᄅ/l.


O alfabeto coreano é considerado por linguistas a escrita mais lógica e prática do mundo e um estudo feito pela ONU colocou o Hangul como a mais adequada para representar as 2.900 línguas sem escrita conhecidas no mundo de hoje. A criação e o estabelecimento do Hangul é considerado um caso único no mundo, inscrito no Patrimônio Cultural da UNESCO em 1997.


Aprender Hangul é extremamente fácil, e como dizia o Rei Sejong: “Um homem sábio pode se familiarizar com o alfabeto antes que termine a manhã. Um homem estúpido pode aprendê-lo no espaço de dez dias”.

Acreditem ou não, é bem mais fácil ler as letras de músicas em Hangul do que com romanizações, já que essas muitas vezes são bem confusas (e vocês podem perceber isso pela forma com que nomes de idols também são romanizadas, por exemplo, o Jeonghan do Seventeen. Alguns romanizam como Jeonghan, outros como Junghan, e a pronúncia é algo como Jónghan, com a letra “o” bem aberta).

E aí, algum de vocês tem ou já teve vontade de aprender a ler o Hangul?

Até a próxima terça, annyeong~~

Deixe uma resposta